Blog

Franz Ruppert – ” A Psique Humana – Assim Como É Por Dentro, Também É Por Fora”

O Professor Dr. Franz Ruppert, nascido em 1957, é o fundador da Teoria e Terapia do Psicotrauma Orientada à Identidade (IoPT) e criador do Método da Intenção. Ele é o primeiro presidente da Associação para a Promoção do Desenvolvimento da Autonomia Saudável das Pessoas e autor de inúmeras publicações traduzidas em várias línguas, palestras e seminários em todo o mundo.

 Convidamo-lo a partilhar a sua visão sobre a Saúde Sistémica, pelo que generosamente nos deixou este texto sobre a psique humana :

” Como a história humana mostra, a razão que determina se vivemos uma boa vida, ou se nos tornamos um incómodo um para o outro, não reside tanto no nosso ambiente natural como dentro de nós próprios. Por exemplo, as pessoas foram para a guerra não por causa da fome e da escassez de alimentos, mas por razões religiosas e económicas, ou por ideologias pessoais de arruaceiros e belicistas (Harari, 2015).

Mesmo a riqueza material e a satisfação das necessidades básicas de comida, bebida, vestuário e abrigo não conduzem automaticamente a uma maior satisfação com a vida, ou a uma coabitação pacífica.

Se nós, humanos, somos cooperativos ou agressivos depende, em primeira instância, do estado da nossa psique. Seja qual for o aspecto da nossa psique, por isso moldamos o nosso ambiente social e natural. Se reina o caos dentro da nossa psique, organizamos o caos no nosso mundo exterior. Se estivermos em paz dentro da nossa psique, podemos estabelecer condições claras e ordenadas no nosso ambiente: como dentro, assim fora.
Se for esse o caso, há pelo menos uma réstia de esperança para as nossas comunidades sociais.

Pelo menos desta forma, saberíamos no que podemos/podemos trabalhar colectivamente. Teríamos de o fazer:

• aprender a compreender melhor a nossa psique humana, e…
• trabalhar colectiva e individualmente sobre isto…

a fim de utilizar a nossa psique para melhorar a vida em vez de intenções destrutivas, para o nosso próprio bem-estar e benefício.

Essencialmente, a nossa psique humana é uma ferramenta fantástica. Tem uma enorme capacidade e potencial. Pode servir-nos muito bem desde que a alimentemos e cuidemos dela como algo precioso, delicado e valioso. Não é pré-determinada à nascença através de ‘genes’, mas influenciada pelas nossas relações e estilo de vida (Bauer, 2002).

Portanto, se a nossa psique é influenciada por experiências negativas na vida, relações violentas, envenenada por sentimentos insuportáveis e enganada por mal entendidos, a nossa psique pode e deve ser constantemente reajustada.
Se queremos levar uma vida melhor e não continuar a lutar uns contra os outros, temos de compreender melhor porque é que a psique humana se envolve tão facilmente em disputas agressivas nas nossas relações interpessoais. Porque é que a psique investe tantas energias na escalada da dinâmica perpetrador-vítima em vez de procurar soluções construtivas? Temos de aprender a libertar-nos destes laços infinitamente destrutivos. Não devemos permitir ou aceitar tornarmo-nos escravos da nossa psique danificada!

Estou certo agora, devido ao extenso trabalho com pessoas na minha prática psicoterapêutica, e do exame da minha própria psique, que a razão crucial da destrutividade humana é a traumatização da nossa psique. A psique traumatizada leva a uma dinâmica interminável da relação perpetrador-vítima. Se compreendermos, reconhecermos e reconhecermos este facto, torna-se disponível uma forma de sair deste ciclo de destrutividade, mesmo que já esteja em vigor há muito tempo e estejamos habituados a ele. Podemos aprender a estar em sintonia connosco próprios, e conhecer outras pessoas com boa vontade e simpatia, mesmo que tenhamos suportado muito sofrimento na nossa vida, e infligido sofrimento aos outros.

(…)

A principal função da psique humana é tornar a realidade dentro da qual uma pessoa existe acessível:

Realidade Nível 1 é o mundo externo: o mundo concreto (“objectivo”) que consiste em factores físicos e biológicos. Portanto, a terra, as criaturas que nela vivem, e o universo além.

Realidade Nível 2 é o nosso mundo subjectivo interno, como reflexo do mundo objectivo, incluindo a relação do indivíduo com o seu meio, o seu ambiente, a natureza e os laços que ligam cada ser humano a todos os outros seres vivos.

Realidade Nível 3 é o mundo auto-construído dentro da psique que não existe de todo no nível 1.


A psique humana comanda vários canais de entrada em simultâneo, a que chamamos percepção. Estes são os cinco sentidos básicos; ver, ouvir, cheirar, provar e sentir. Estes dão-nos a nossa primeira impressão do que está disponível no nosso mundo exterior. Com isto, contudo, temos de nos lembrar que a nossa percepção é selectiva com base nas nossas necessidades e interesses individuais. Nunca percebemos tudo o que existe; isso
não só seria uma exigência excessiva na nossa psique, mas também seria inútil.

(…)

Além disso, a psique humana possui duas funções especiais significativas que estão em grande parte ausentes noutras formas de vida: o “eu” e a vontade. No decurso do desenvolvimento humano, um “eu” cada vez mais autónomo pode desenvolver-se na psique humana, e com isso uma consciência cada vez mais clara do nosso “eu” (Bauer, 2015).

Através do “Eu”, o ser humano obtém um ponto de referência interior para percepção, sentimento, pensamento, lembrança e acção. A consciência deste “Eu” permite outras opções de auto-reflexão, o desenvolvimento de uma vontade consciente, e a busca focalizada de um processo de autotransformação, por exemplo no contexto da psicoterapia.

A psique humana está em constante desenvolvimento. Serve selectivamente as nossas necessidades, pode adaptar-se bem às circunstâncias externas, e é essencialmente criativa. Por outras palavras, pode sempre encontrar boas soluções para problemas práticos. A ideia de que “as doenças mentais não podem ser alteradas porque são geneticamente determinadas é cientificamente arcaica, e já não corresponde ao conhecimento actual da natureza da psique humana, do cérebro e da genética (Bauer, 2002).

Para ler o artigo na íntegra clique aqui  –  Franz Ruppert – The Human Psyche

O autor deste artigo é também autor dos livros:

“Meu Corpo, Meu Trauma, Meu Eu” disponível em português em   http://liabertuol.com.br/livro

 Who am I in traumatised Society” ainda não disponível em português

Pode também assistir aqui à live de Maria Gorjão Henriques com Franz Ruppert, sobre o tema Saúde Sistémica

Franz Ruppert é também um das palestrantes do Congresso de Consciência Sistémica, no qual facilitará uma palestra e um workshop imersivo na área temática Saúde Sistémica