Amit Goswami

BIOGRAFIA

Amit é um professor de física reformado da Universidade de Oregon, onde serviu na faculdade, de 1986 até 1997.

O significado da física quântica foi altamente obscurecido. Enquanto pesquisava, Amit descobriu que quando a física quântica é formulada dentro da metafísica do não-dualismo qualificado, como um Vedanta Indiano, questões acerca do significado são resolvidas imediatamente. O seu trabalho integra assim ciência e espiritualidade. Este trabalho culminou no seu mais recente livro com a física Valentina Onisor, Quantum Spirituality.

Subsequentemente, ele desenvolveu a teoria da reincarnação e integrou as medicinas convencionais e alternativas dentro da nova ciência quântica da saúde. Entre as suas descobertas encontram-se a teoria quântica do processo criativo, a teoria da evolução quântica, e a teoria da economia quântica que extende o capitalismo de Adam’s Smith num paradigma viável para o século 21.

Em 2009, ele iniciou um movimento chamado “ativismo quântico”, que se encontra a ganhar terreno na América do Norte e do Sul, no sul e leste da Europa e na Índia. Em 2018, junto com os seus colaboradores, ele estabeleceu o Quantum Activism Vishwalayam, uma instituição de educação transformacional na Índia, baseado em ciência quântica e na primazia da consciência. Este programa oferece programas de mestrado e doutoramento em Ciência Quântica da Saúde, Prosperidade e Felicidade sob os auspícios da University of Technology, Jaipur.

Amit é autor de numerosos livros, mais notavelmente: The Self-Aware Universe, Physics of the Soul, The Quantum Doctor, God is Not Dead, Quantum Creativity, e The Everything Answer Book. Ele foi apresentado no filme What the Bleep Do We Know!? e nos documentários Dalai Lama Renaissance e The Quantum Activist.

Amit é um praticante espiritual e autodenomina-se um ativista quântico em busca do Todo.

PALESTRA

Introdução ao Ativismo Quântico: um workshop por Amit Goswami, PhD

Há uma revolução a acontecer na ciência: uma mudança de paradigma genuína. Enquanto a ciência convencional continua materialista, um número substancial de cientistas estão a apoiar e a desenvolver um paradigma baseado na primazia da consciência. Provas científicas da existência de Deus e o poder criativo de Deus de causalidade descendente é facilmente revelado quando visto através das lentes conceptuais deste novo paradigma. É num estado não-comum de consciência no qual somos um, e através desta consciência o Deus que estamos a descobrir através da ciência não é separado de nós. Então, o que fazer acerca destas novas revelações? O ativismo quântico dá-nos um manifesto para nos mudarmos a nós mesmos e às nossas sociedades utilizando diretrizes deste novo paradigma.

Neste workshop, os participantes vão explorar os aspetos transformadores da física quântica. Sucintamente, estes são: não-localidade (a capacidade de comunicar sem sinais); descontinuidade (a capacidade de dar saltos quânticos sem passar pelos passos intermédios); e hierarquia emaranhada (a capacidade para relações causalmente circulares). Este workshop irá também explicar como uma pessoa pode utilizar estes princípios quânticos para se guiar a si mesma e à sociedade para a criatividade e a resolução de conflitos assim como aprender como utilizar as energias do amor.

Rupert Sheldrake

BIOGRAFIA

O Dr. Rupert Sheldrake é biólogo e autor de mais de 90 artigos técnicos em revistas científicas e 9 livros, incluindo “A Presença do Passado”.

Foi membro do Clare College, em Cambridge, onde foi diretor de estudos em biologia celular e também pesquisador da Royal Society.

De 2005 a 2010, foi diretor do projeto Perrot-Warrick para pesquisas sobre habilidades humanas e animais inexplicáveis, financiado pelo Trinity College, em Cambridge.

Atualmente é membro do Instituto de Ciências Noéticas na Califórnia e do Schumacher College, em Devon, Inglaterra.

Mora em Londres.

Site: www.sheldrake.org 

PALESTRA

De acordo com a hipótese de Rupert Sheldrake de ressonância mórfica, todos os sistemas auto-organizados, incluindo cristais, organismos e sociedades, são organizados por campos mórficos que contêm uma memória inerente, atribuída por um processo chamado ressonância mórfica de sistemas similares anteriores. Todas as espécies têm uma memória coletiva, da qual cada indivíduo herda e contribui. A cura depende de campos mórficos, subjacentes às capacidades regenerativas de plantas, animais e pessoas. Os grupos sociais também herdam memórias, como mostrado na terapia de constelação familiar. Até a memória individual depende mais da ressonância mórfica do que dos traços da memória física; sintonizamos com as nossas memórias em vez de as armazenar nos nossos cérebros. Rupert Sheldrake discutirá algumas das evidências para esta hipótese e as suas implicações para o trabalho com constelações familiares.

Angélica Olvera García

BIOGRAFIA

Estudou Engenharia Química na UNAM e Ciências Humanas na ASEC SOR JUANA (CUIH). Conta também com especialização e mestrado em Pedagogia e Formação Docente pela UNIVERSIDAD MULTICULTURAL DE GRUPO CUDEC®.

É historiadora e terapeuta sistémica em Constelações Familiares; com formação em Gestalt, em Programação Neurolinguística, Psicologia Transpessoal, Psicologia Comunitária e Terapia Breve Estratégica de G. Nardone, Mecânica Quântica e Física Relativista.

Criadora da Pedagogia Sistémica CUDEC® baseada nos princípios de Bert Hellinger; autora de “El éxito es tu historia” (2009) e “Talento Transgeneracional” (2011); coautora com Bert Hellinger em “Inteligência Transgeracional: Sanando las heridas del passado” (2010).

É coautora em “Sintonizando las miradas” (2011) e de “Raíces, vínculos e asas” (2012).

Atua há mais de 30 anos na docência e foi premiada internacionalmente.
Ministra formações em muitos países.

Esteve junto a Bert Hellinger, desde 1999, até à sua morte em 2019.

Jakob Schneider

BIOGRAFIA

  • Desde 1985, na sua prática privada desenvolveu seminários de aconselhamento psicológico e autoconhecimento com constelações familiares.
  • Faz seminários de supervisão e formação avançada, a nível nacional e internacional e em Instituições e institutos.
  • Coopera há muitos anos com a DGFS e na revista “Prática das constelações familiares “.
  • Publicações: “As constelações familiares. Noções básicas e Procedimentos” Heidelberg, 3a ed. 2014; “Origem, destino e liberdade. o Grupo Inconsciente nos Sistemas Familiares e Constelações Familiares”, Heidelberg 2016.

A sua primeira experiência com constelações familiares ocorreu, em 1982, com o próprio Bert Hellinger. Pouco depois, realizou constelações familiares com alunos de grupos de jovens ligados à igreja e no seu trabalho com os alunos com que trabalhava naquela época. Com Bert Hellinger, pode participar em mais dois seminários para trabalhar questões pessoais (principalmente Terapia Primária e Orientação Primária) e participou em muitos seminários de Bert Hellinger, como orientador e fez vários cursos de supervisão. Com a amizade pessoal que desenvolveu e muitas conversas foi-se familiarizando com o método das constelações familiares e Bert Hellinger foi-lhe confiando o trabalho de constelações familiares “segundo Hellinger”.  Desde 1985, regularmente e com muita frequência, realiza seminários “Life in Relationships”, nos quais trabalha principalmente com constelações familiares. Graças a anos de participação nas atividades organizadas pela Hunter Beaumont, Centro de Formação Internacional na Alemanha, teve muitos convites pessoais e ganhou experiência internacional, com constelações familiares, em quase todos os países da Europa, América do Norte e do Sul, Ásia e Austrália. Por iniciativa do Gunthard Weber participou na criação da “Associação Internacional de Soluções Sistémicas Segundo Bert Hellinger eV”  (IAG), participou na criação da organização da “Sociedade Alemã de Constelações Sistémicas DGfS eV” e na publicação da revista “A Prática da Constelação do Sistema”. Além de alguns artigos periódicos, em 2000, publicou o livro “Ah, que bom que eu sei. Contos de fadas e outras histórias na terapia sistémica-fenomenológica” (juntamente com Dr. Brigitte Gross Em Atman, no Brasil); “Ah! Que bom que eu sei. A visão sistémica nos contos de fadas”); em 2006, o livro “As constelações familiares. Princípios e procedimentos” (em Atman: “A Prática das Constelações Familiares”) e, em 2016, o livro “Origem, destino e liberdade. O grupo inconsciente nos sistemas familiares e constelações familiares” (também publicado com tradução para o português de Atman).

Suas experiências terapêuticas pessoais com Bert Hellinger abriram-lhe o acesso à sua própria história e ajudaram-no em muitas áreas da sua vida. O trabalho de Bert Hellinger foi determinante para a sua orientação profissional. Nunca quis ir para a área de trabalho de psicoterapia ou aconselhamento psicológico, após o seu trabalho educativo com jovens e estudantes, até conhecer o trabalho de Bert Hellinger. Identificou-se imediatamente e abriu a sua própria clínica de formação para terapeutas matrimoniais e familiares. Tudo isto trouxe-lhe uma imensa alegria, satisfação e viagens para outros países. Tem uma enriquecedora cooperação com a sua esposa Sieglinde, que trabalha como professora, formadora e conselheira de professores e de escolas, especialmente em consultas individuais com figuras. Fazem muitas viagens de seminários juntos.

As constelações familiares não são um método psicoterapêutico. Servem para ajudar a viver a vida, no sucesso das relações e na clarificação do passado familiar pela iluminação e reconciliação. Sob esses aspetos, também pode ter efeitos benéficos sobre os sintomas mentais e físicos, mesmo que isso não signifique terapia por trauma. Ajuda a ver onde estamos cegos ou apegados nos destinos dos outros, através da nossa compaixão infantil. Ajuda a pacificar o passado na própria alma, a encontrar novas possibilidades no relacionamento e na vida profissional pelo “reconhecimento do que é” e a preencher a nossa vida com uma nova força vital.

PALESTRA

Sistema familiar e história familiar – as constelações familiares clássicas

No início dos anos 80, no século passado, Bert Hellinger desenvolveu, com base na experiência de alguns psicoterapeutas humanistas as constelações familiares, que ficaram conhecidas mundialmente com este nome. Desde então, as constelações familiares foram ampliadas com muitas variações e extensões para outros campos sistémicos, como as organizações, mas não com o próprio Bert Hellinger. Nesta palestra, irá partilhar as suas experiências com o modelo clássico das constelações familiares e fundamentar o porquê de continuar a considerar que são as constelações familiares que melhor respondem às duas perguntas básicas da vida: Como o amor pode ser real?, Até que ponto estamos amarrados ao destino dos outros nos nossos problemas e conflitos de relacionamento?, Quais as especificações estruturais ou ordens que facilitam o sucesso dos relacionamentos, e como devemos lidar com o passado das nossas famílias para uma vida plena e bem-sucedida?

WORKSHOP

Com base em algumas preocupações dos participantes, o método das constelações familiares clássico é vivenciado e discutido. O workshop oferece a oportunidade de aprofundar os pressupostos das constelações familiares clássicas e a forma como estamos, muitas vezes, apegados às histórias dos nossos familiares que condicionam o destino de muitos nas nossas famílias.