Anna Patrícia Chagas

BIOGRAFIA

Anna Patrícia Chagas é Psicóloga, Coach Sistémica, Facilitadora de Círculos de Mulheres, desde 2003, Mentora de mulheres profissionais que trabalham com mulheres. Escritora e Consteladora familiar, Terapeuta Corporal, Terapeuta Comunitária, desde 1999, trabalhando com famílias, casais e atendimentos terapêuticos. Mestre em Ciências da Religião pela PUC-SP, foi professora universitária e coordenadora de cursos de pós-graduação em diferentes instituições. Co-fundadora do Instituto Ipê Amarelo e Instituto e Editora Diálogos do Ser, co-criou a “Escola de Liderança”, um programa de desenvolvimento de liderança, com abordagens sistêmica e integrativa. Autora dos livros: “Maria Madalena: o feminino na luz e na sombra” e “Corpo: prazer, dor e luz”. Mãe da Giulia (que não nasceu), do João Gabriel e da Ananda, amante das plantas e da música.

WORKSHOP

No olhar sistémico o tão conhecido e necessário empoderamento feminino ganha um caminho completamente diferenciado, um caminho interno de reconciliação com a nossa origem. Reconciliação que nasce da Cura da relação com nossas mães, retomando nossos lugares nas nossas famílias de origem.
Revisitando várias gerações de mulheres e a forma como puderam se expressar ou não se expressaram, reencontramos dentro de nós mesmas a dor dessa não expressão, reencontramos dentro de nós mesmas a força do amor, do servir, a alegria: luz e sombras.
Através deste caminho nós voltamos nossos olhos para as “roupas” vestidas pelas nossas mães, avós, bisavós… e assim por diante. Nós olhamos para o mundo (quase sempre) privado destas mulheres, para as suas impossibilidades sociais, para lugares de não fala, de não expressão e, algumas vezes, para gerações de mulheres que seguiram servindo nas suas vidas  privadas, ou ainda em um lugar que era um “não lugar”.
No Brasil tenho trabalhado com milhares de mulheres, que no campo das constelações sistémicas recriam as histórias de três grandes matrizes culturais, que nos deram origem: nossos ancestrais indígenas, os negros – as mulheres negras que vieram para o Brasil escravizadas e os portugueses e demais povos europeus, além, claro dos japoneses e de imigrantes de todas as partes do mundo, que juntos constituíram a nação Brasileira.
Estas histórias familiares de rupturas, recomeços, relações de amor e poder, exclusão e amoroso servir, estão presentes em nós.
Nossos relacionamentos amorosos, nosso lugar no mundo, nossa relação diante do masculino, nossa contribuição social, também se originam das nossas lealdades sistémicas, e esta colcha multifacetada (étnica, cultural, social, sistémica, emocional, relacional…) são fundantes para a nossa identidade feminina.
O que proponho é este olhar sistémico sobre a construção da nossa identidade feminina, da nossa alma coletiva, em ressonância com toda a nossa linhagem feminina e as nossas histórias familiares transgeracionais.

PALESTRA

Fábio Rodrigues Lima

BIOGRAFIA

Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo, Palestrante, Professor

Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo.

Membro Articulador do Pólo Irradiador de Cultura de Paz e Convivência Humanitária de São José dos Campos, São Paulo.

Coordenador do Projeto sobre Drogas “Comarca Terapêutica”.

Palestrante e professor, com cursos de pós-graduação, extensão e de capacitação em dezenas de instituições nacionais e estrangeiras, em diversas áreas do Direito e em diversas tecnologias de cultura de paz, como Constelação Familiar, Movimentos Essenciais, Justiça Restaurativa, Mediação de Conflitos, Comunicação Não Violenta, Drogas e Dependência Química, Gerenciamento de Projetos Sociais, Políticas Públicas, Renascimento, Respiração Consciente e Inteligência Emocional, entre outras práticas integrativas complementares.

PALESTRA

Maria Martha Arredondo Mendez

BIOGRAFIA

  • Licenciada em Jornalismo e Comunicação Coletiva.
  • Mestre em Desenvolvimento Humano e Pedagogia Sistémica.
  • Especialidades: Psicoterapias Gestaltistas, Programação Neurolinguística, Hipnose Eriksoniana, Perfil de Desenvolvimento Emocional (EDP) e Dança e Movimento.
  • Pós-graduação em Core Energy Therapist.
  • Formação em Arraigo Sexual.
  • Terapeuta floral.
  • Constelações Familiares, desde 1996 e Formadora de Treinadores para o Hellinger Sciencia.
  • Certificada em Gestão Sistémica e Constelações Organizacionais.
  • Formada em Eneagrama e Coaching Sistémico.
  • Fundadora e diretora do Corpo Alma Terapeutika, em Guadalajara, Jalisco, México.
  • Realiza workshops no México, Espanha, Portugal e países da América Latina.
  • Trabalhou como jornalista durante 25 anos.

PALESTRA

Homens e mulheres num só coração

Os privilégios, os desafios, os compromissos e o que há a percorrer para os homens e mulheres de hoje. As constelações familiares abrem o espaço para a reconciliação e gratidão pelos diferentes caminhos.

WORKSHOP

Reunidos à volta do coração e do futuro

Fluir na nossa identidade de género do coração, para gerar a força e confiança necessárias e promover mudanças que nos levem a viver em harmonia e respeito com o casal, deixando para trás a concorrência, ressentimentos e medos.
Um workshop onde o feminino e o masculino dos nossos sistemas são mostrados através da dança do tempo e concluem aqui e agora, com um futuro para descobrir.

A minha visão sobre constelações familiares

A visão das ordens de amor, a consciência em direção aos movimentos da alma e a certeza em relação aos movimentos do espírito que me levam a algo maior, é um caminho interior que me permite viver em um estado de rendição perante o que é.

Nas constelações familiares, a realidade torna-se transparente e nos mostra processos internos ligados ao nosso sistema familiar e a campos mais amplos num todo interconectado.

Uma vez que estes conceitos sejam tomados, são levados para outro nível, porque muitas vezes o que temos em mente, para a alma é diferente porque é o que nos mostra a grandeza da vida.

Aprender a confiar nos movimentos que vêm de algo maior requer de mim uma mansidão, uma rendição a esse movimento.

Vanessa Aufiero da Rocha

BIOGRAFIA

  • Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Família e Sucessões da Comarca de São Vicente.
  • Coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de São Vicente.
  • Treinada em Mediação pelo New York Center for Interpersonal Development/NYCID – Staten Island – NY – USA.
  • Idealizadora, Organizadora e Instrutora das Oficinas de Parentalidade e Divórcio junto ao Conselho Nacional de Justiça.
  • Pós-Graduada em Mediação e Intervenções Sistémicas pela PUC-SP – BRASIL.
  • Pós-Graduada em Direito Sistémico.

PALESTRA

JUSTIÇA SISTÉMICA: TRANSFORMANDO CONFLITOS, RELACIONAMENTOS E VIDAS.

A visão da justiça com uma mera aplicadora da lei não tem sido capaz de responder aos problemas mais essenciais da humanidade, especialmente nesse cenário pós-moderno, que assiste a tantas mudanças paradigmáticas na forma de perceber o mundo. Qual seria então a função da Justiça? A justiça não é apenas uma aplicadora da lei, mas também uma importante protagonista da cultura de paz, que enxerga o conflito como uma oportunidade de transmutação qualitativa das relações humanas. E como tal, ela rompe padrões e desenvolve formas criativas para a propagação da paz, inclusive valendo-se de outros saberes, como o pensamento sistémico e a Filosofia de Bert Hellinger, que lhe permitem ampliar o olhar sobre o conflito, perceber as dinâmicas sistémicas ocultas e demais fatores que o geram, e aborda-lo com um viés transformativo em detrimento de um viés meramente retrospetivo. Ao fazê-lo, a justiça inspira e estimula as pessoas a desenvolverem o autoconhecimento e a agirem com autorresponsabilidade, respeito, empatia e colaboração, concretiza o seu objetivo precípuo e coloca-se a serviço da paz e da evolução humana.

WORKSHOP

NOVOS PARADIGMAS SISTÉMICOS NA GESTÃO DE CONFLITOS: É NECESSÁRIO INTERNALIZAR PARA IRRADIAR.

Ninguém pode dar o que não tem. Portanto, para gerir adequadamente o conflito alheio é necessário aprimorar o autoconhecimento e os recursos internos. Por meio de exercícios e vivências sistémicas, este workshop visa a convidar os alunos a refletirem sobre as leis sistémicas que movem cada um em suas decisões e comportamentos para uma melhor compreensão de si e do outro; a necessidade de ampliar o olhar sobre o conflito, percebendo as dinâmicas sistémicas ocultas que o geram e abordando-o com um viés transformativo em detrimento de um viés meramente retrospetivo; a necessidade de agir com empatia sistémica na gestão dos conflitos; a necessidade de ampliar a potencialidade para novas formas de conhecimento e trabalho. Sendo assim, o workshop visa a nutrir um novo modelo de Justiça, que aborda o conflito de forma sistémica e interdisciplinar, conduzindo os alunos a uma nova consciência jurídica, pautada nos ensinamentos de Bert Hellinger e no pensamento sistémico, despertando-os para uma transformação pessoal e profissional.

Elza Vicente Carvalho

BIOGRAFIA

Elza Vicente Carvalho

Formação Internacional em Constelações Familiares com Bert Hellinguer; Master Trainner em Programação Neurolinguística Sistémica; Palestrante em eventos públicos corporativos e entidades de classe; Consultora e Especialista na Formação do Desenvolvimento e Promoção Humana.

Fundadora do Espaço Viver e Conviver, espaço dedicado a terapias interativas e Constelações Familiares Sistémicas individuais e de grupo.

Há duas décadas atua na formação de Terapeutas e Consteladores, ministrando cursos, seminários e workshops, por todo o Brasil.

Atualmente produz e apresenta uma plataforma própria de conteúdos e soluções sistémicas.

PALESTRA

Os benefícios da aplicação do conhecimento profundo das constelações familiares, através das leis sistémicas, que permeiam e sustentam os relacionamentos em todas as áreas em que atuamos: “As Ordens do Amor”, aplicadas no quotidiano das relações que vivenciamos na nossa Vida.

Criar reflexões que levem a compreensões profundas e que provocarão novas atitudes, com mais consciência de quem verdadeiramente somos e que nos levem na direção do nosso bem maior: a família.

Maria Gorjão Henriques

BIOGRAFIA

Maria Gorjão Henriques, mentora e organizadora do congresso, nasceu a 11 Maio de 1971. Psicóloga, Astróloga, Professora, Formadora e Facilitadora de Constelações Familiares, há mais de 14 anos. Olha para as várias disciplinas, como uma via de trabalho que concilia e unifica as várias áreas de intervenção terapêutica.

Tem desenvolvido o seu trabalho observando e procurando a origem do sofrimento humano que, na maioria das vezes, se encontra num vazio de amor provocado por uma perda de partes de alma que vão deixando para trás, ao longo da vida, por lealdades inconscientes ao clã familiar, por condicionamentos da sua educação ou por, em determinados momentos da vida, não conseguirem ser coerentes e suficientemente leais a si próprios.

Fundadora do Espaço Amar, um espaço que promove novas consciências, através do despertar de cada um, para uma viagem de autoconhecimento, na via da individuação e onde o trabalho é desenvolvido, procurando fazer o casamento entre uma abordagem convencional e holística.

PALESTRA

Como seres humanos estamos vinculados a uma imensidão de sistemas e estruturas. Do nosso corpo, à família, à cidade, ao território e país onde nascemos, à religião em que fomos batizados, ao continente em que pertencemos. Todos eles formam um sistema integrado, por partes, que estão interrelacionadas entre si, de tal forma que cada uma cumpre uma função para com a outra.

Mas de todos os sistemas em que estamos imersos, o que mais nos influencia é a nossa família, que representa a unidade básica pela qual é constituída a nossa sociedade.

Através da família são transmitidas, de geração em geração, as heranças genéticas, a cultura, os conhecimentos e os recursos, mas também as dores, as mágoas, as relações problemáticas, as vergonhas, as injustiças e os silêncios do sistema.

As constelações familiares apresentam-se como uma terapia muita efetiva, porque vêm recriar e trazer à luz, as dinâmicas ocultas que estão na base da situação apresentada, proporcionando o restaurar da vida e a libertação da energia reprimida.

Assim sendo, são uma ponte para a realidade da vida que não se manifesta através da nossa linguagem comum, mas sim através dos profundos movimentos da alma que transcendem tantas vezes a nossa capacidade de entendimento no quotidiano. É um trabalho que integra o corpo e a alma a partir das ordens ocultas do amor.

Entrar em contacto com esta verdade maior é abrirmo-nos a uma dimensão sistémica que explica a nossa vida e nos faz ganhar consciência sobre a força do amor e das lealdades que movem as nossas vidas.